22 de junho de 2011

Uma grande mudança na minha vida

Parece muito dramático, mas não é. E digo isto agora, passado um mês, porque na altura a mudança custou-me bastante. Até parece que não tenho mais nada com que me preocupar, mas achei bem partilhar este momento.
Então, o que aconteceu é que resolvi largar a minha mala XL. Troquei-a por uma "pochete", uma malinha de pôr a tiracolo.
Sempre achei que devia levar na mala todas as tralhas possíveis e imaginárias, porque de certeza que iria precisar:
- A minha mãe sempre me disse para ter na mala uma escova ou um pente para me compôr (nunca usei porque assim que chego ao trabalho, se for preciso, uso a escova que tenho na minha gaveta já com esse objectivo).
- A agenda é essencial, mesmo que passe o ano sem a abrir, mas está lá porque pode fazer falta.
- Os cartões dos supermercados, do talho, da peixaria, da loja de roupa, etc. porque assim estão à mão se precisar.
- A bolsa com papéis e documentos que podiam ter ficado em casa
- Os boletins de saúde dos filhos
- Uma garrafita de água porque quando saímos com crianças elas têm sempre sede.
- Aquela revista para lermos enquanto esperamos alguma coisa em algum sítio.
- Os brinquedos que os filhos teimosamente trazem e que prometem que levam e no fim vão para a mala da mãe porque eles já estão cansados e ficam lá dias porque eles se esquecem e eu também :p
- O telemóvel
- Sem esquecer a carteira para todos os cartões anteriormente mencionados e a carteirinha das moedas porque a carteira está tão cheia que a parte do porta moedas não consegue fechar e deixa as moedas fugirem para dentro da mala.
Depois de ter ficado uma semana sem carro e ter que ir a pé para o trabalho, cheguei à conclusão que já não aguentava com o peso da mala. E ainda por cima o carro iria ficar mais umas semanas na oficina e teria que continuar a andar a pé.
A mala com as tralhas todas pesava, à vontade 2,5 kg. (sem a água)
Foi então que tomei a grande decisão: trocá-la por outra mais pequena. Fiz uma escolha daquilo que realmente precisava (e é tão pouco), comprei uma malinha pequena (ao fim de uma semana a namorá-la na loja), comprei uma carteirinha pequena onde só cabem as notas, as moedas e o multibanco e passei a andar menos carregada. Foi cá um alívio!!
E o mais engraçado é as coisas que deixei em casa, nem me fazem falta! A agenda também ficou em casa, troquei-a por um bloquinho de apontamentos e actualizo-a à noite se houver alguma coisa para actualizar.
Ontem, achei que tinha saudades da mala grande e espaçosa e por isso levei-a para o trabalho. Arrependi-me logo! Não conseguia encontrar a carteira, depois o telemóvel, depois as chaves para abrir o escritório. Enfim, um caos! Mas já me curei e voltei à minha pequena "pochete".
Acho que é tudo uma questão de organização. E no meu caso, bem preciso de me organizar.

3 comentários:

  1. É bem verdade, eu tb tenho al a minha "mala de viagem" arrumada, e só a uso quando saio para longe! No dia a dia uso uma pequenina a tiracolo que comprei nos chineses e é uma diferença... apesar da minha "mala de viagem tb dar para pôr a tiracolo, não me dava grande jeito pq ou me batia nas pernas e me dificultava o andar ou se a punha para trás, batia-me no rabo e tb me dificultava o andar!
    Assunto resolvido!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Pois é amiga eu refilo mas a minha é grande e dá imenso jeito mas nem sei andar de mala pequena mas confesso não pesa quase nada tive o cuidado de sempre malas leves para facilitar um pouco a vida, mas tens razão muitas das vezes é só tralha a mala das mulheres rsrsrs.

    Beijos
    Joana e Sofia

    ResponderExcluir
  3. Ok, confesso que eu ainda sou fã das grandes... mas é uma chatice andar à procura das coisas. Quem sabe um dia tome a mesma atitude que tu.

    Bjs

    ResponderExcluir

Obrigada por ter tempo para ler o que escrevo e dar-me a sua opinião. Espero que volte.
Um abraço!!!