26 de dezembro de 2012

Desabafo de Natal

Eu gosto do Natal. Sempre foi uma época mágica para mim. Desde pequena, quando ia dormir cedo à espera do Menino Jesus com as prendinhas. Nunca fomos ricos, sempre remediados, mas sempre houve lembrancinhas para todos, sempre houve filhoses (gosto de dizer assim), fatias douradas (também gosto assim), azevias, um pinheiro enorme, verdadeiro, no meio da sala, a família reunida. Estas são as memórias da minha infância. Quando eu tinha 10 anos viemos morar para a cidade e tudo continuou, excepto o pinheiro que foi substituído por uma árvore artificial.
E agora que sou mãe, procuro manter a tradição a que me habituei e criar, se possível, uma tradição nossa.
Cá em casa, as prendas só se abrem no dia de Natal, trazidas pelo Pai Natal, que recebe as indicações do Menino Jesus. Ainda se acredita nisso, apesar de o meu filho já ter dito que acha que são os pais que compram as prendas!! Continuo a não ser rica, mas ainda consigo satisfazer alguns desejos dos meus filhos (Play Station Portátil é que nem pensar!). Para a ceia de Natal, só nós os quatro, arranja-se qualquer prato que agrade a todos porque o bacalhau não é consensual e como é uma noite que se quer de alegria, não quero ninguém a queixar-se da comida.
Mas o dia de Natal é que é! Junto a família em minha casa, preparo o almoço e as sobremesas, quem vem almoçar traz qualquer coisa para acrescentar à mesa e é sempre uma correria, esqueço-me sempre de alguma coisa, mas como é família e já sabem o que a casa gasta, perdoam-me sempre.
Mas apesar de continuar a gostar do Natal, sinto que estou a perder o ânimo de antigamente. Já não me entusiasmo como antes com a aproximação da época, já não sinto a alegria que sentia. Faço um esforço pelas crianças e no fim até entro no espírito, mas está a ficar mais difícil. Este ano então, ia sendo uma desgraça. Tinha planos para fazer coisas para oferecer, deixei passar o tempo, não fiz nada do que queria. Quase me esqueci de pessoas importantes para mim, esqueci-me de pessoas amigas, quase não tinha prendas para os meus filhos e a prenda para o meu marido foi comprada na véspera. Podemos dizer que não queremos ser consumistas no Natal, que o Natal deveria ser para lembrar a união familiar e etc e tal, mas gosto sempre de oferecer qualquer coisa às pessoas de quem gosto apesar de não esperar que me dêem qualquer coisa. Gosto mesmo é de ter as pessoas à minha volta e essa é que é a minha prenda.
Se calhar o problema é mesmo da minha cabeça, sentir que tenho que cumprir determinados padrões que afinal ninguém me exige que cumpra. Ainda assim, este ano, apesar de toda a confusão, consegui manter a calma e desisti de projectos que vi não conseguia executar, fiz coisas que não estavam planeadas e que no fim, foram boas opções e todos tivemos um bom Natal, cheio do que é mais importante, a família e os amigos.
Agora, e mais um vez digo isto, só preciso manter a calma e organizar-me. Vamos ver se algures durante este ano que se vai iniciar, consigo isso.

Boas Festas

Um comentário:

  1. Pois eu este ano também estive com o espírito em baixo. Mas nos últimos dias tudo se compôs!

    Aproveito parra desejar um excelente ano de 2013!

    ResponderExcluir

Obrigada por ter tempo para ler o que escrevo e dar-me a sua opinião. Espero que volte.
Um abraço!!!