4 de fevereiro de 2013

Quando Isabel Jonet disse que tínhamos de nos convencer que não podíamos comer bife todos os dias, não me ofendi apesar de não comer bife todos os dias. Percebi o que ela quis dizer, o país estava habituado a viver acima das suas possibilidades, não eu, não tu, ninguém em específico, mas muita, muita gente, senão não haveria o problema do sobreendividamento das famílias.
Quando a "Pepa" disse que gostaria de ter uma mala Chanel, também não levei a mal, uma vez que sonhar ainda não é crime e ela até trabalha para se sustentar. Se quer gastar 3000 eur numa mala, desde que não o tenha roubado, o problema é dela. Também não gosto que me venham dizer como gastar o meu dinheiro, uma vez que não o pedi a ninguém, trabalho para o ter e privo-me de muitas coisas, para que o essencial não falte.
Agora, as palavras do sr. Ulrich, essas já me ofendem. É um presidente de um banco com apoios do estado, logo que usa o meu dinheiro, que teve lucros exorbitantes e que ainda não pagou ao estado o empréstimo (diz que vai), que ganha balúrdios de dinheiro ao fim do ano, e que se vem comparar aos sem-abrigo que o são por falta de alternativa. Não gostei.  Se calhar estou a interpretar mal as palavras dele, mas não me parece.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por ter tempo para ler o que escrevo e dar-me a sua opinião. Espero que volte.
Um abraço!!!